Postagens com a tag ‘povos indígenas’



15/06/2012


Líder indígena Otaniel Ricardo, representante do povo Guarani Kaiowá, durante um encontro com o Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, na Cúpula dos Povos.( UNIC Rio / Daniel Mendonça)Demarcar terras indígenas é defender o meio ambiente, afirmou o líder indígena Otaniel Ricardo, representante do povo Guarani Kaiowá, durante um encontro hoje (15/06) com o Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, na Cúpula dos Povos. “Ministro, a sua presença aqui é muito importante, porque a nossa reivindicação é a demarcação da terra. Através da demarcação vamos defender nossa própria educação, saúde, nossa história, língua e geografia. Aí nós vamos defender o meio ambiente”.

Patriota fez uma visita surpresa ao espaço onde estão reunidas 90 delegações de mais de 200 etnias indígenas, discutindo na cidade do Rio de Janeiro um documento com foco na preservação ambiental e demarcação de terras a ser entregue ao Governo brasileiro. Ele afirmou que a Rio+20 se caracteriza pela pluralidade e pelos espaços abertos à participação da sociedade civil dos diferentes segmentos da sociedade. “Eu fico muito feliz de poder visitar rapidamente, sentir essa energia positiva do Brasil se confraternizando com seus vizinhos em torno de objetivos que são os nossos. Objetivos nobres de reconciliar crescimento com justiça social e consciência ambiental”, afirmou o Ministro.

Mais tarde, o tema da demarcação voltou a ser debatido em coletiva de imprensa organizada pelo Comitê Facilitador da Cúpula dos Povos para a Rio+20 (CFSC). O representante da Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica, Vasquez Campos, índio peruano da tribo Witoto, disse que “A Economia Verde deve assegurar juridicamente nosso território através do Estado, nos protegendo das interesses das indústrias extrativistas”.

 

 



01/06/2012


Alimentos tradicionalmente usados por povos indígenas podem ser uma importante ferramenta para combater a fome e a má nutrição. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), adotar uma cesta alimentar semelhante a dos índios pode resultar em dietas balanceadas com a vantagem de se gerar uma pegada de carbono menor a de muitos outros métodos da agricultura moderna.

Essas discussões fazem parte do simpósio regional Promoção dos Alimentos Indígenas Subutilizados para a Segurança Alimentar e Nutrição na Ásia e no Pacífico que irá até 2 de junho na Tailândia.

A agência ainda afirma que a globalização tem reduzido o número de espécies de plantas usadas para fins alimentares de cerca de 100 mil para apenas 30. Como a população mundial deverá chegar a nove bilhões em 2050, a FAO está preocupada que o mundo não será capaz de produzir alimentos suficientes para atender à demanda.

“Se conseguirmos com êxito melhorar a informação sobre a utilização desses recursos alimentares indígenas – considerando um marketing mais eficaz – produtores rurais, inclusive as comunidades indígenas, poderão se beneficiar muito mais em termos de melhoria da saúde, nutrição, bem-estar e redução da pobreza”, afirmou o presidente da Universidade Khon Khen, Kittichai Triratanasirichai.



17/05/2012


Declaração sobre direitos dos povos indígenas inspirou mudanças, diz Presidente da Assembleia Geral da ONU (UN Photo/Mark Garten)

O Presidente da Assembleia Geral da ONU, Nassir Abdulaziz Al-Nasser, aclamou hoje (17/5) a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, adotada há cinco anos como um documento histórico que inspirou mudanças positivas na proteção dos direitos das comunidades indígenas.

“Em alguns países, temos visto a criação de instituições especializadas, o aperfeiçoamento de legislações e constituições, a implementação de novas políticas e programas, decisões de tribunais inspiradas na declaração e ações de educação sobre os direitos dos indígenas”, disse Al-Nasser. A afirmação foi realizada na sede da ONU em Nova York durante as comemorações do 5º aniversário da adoção da Declaração.

Segundo ele, são necessárias mais ações, incluindo a necessidade de disponibilização de maior espaço por parte dos Estados para a participação dos próprios indígenas nas discussões sobre seus direitos – o que nem sempre ocorre. A cooperação internacional através de assistência financeira e técnica também é fundamental. Uma dessas formas de colaboração seriam os fundos fiduciários promovidos pela ONU, para os quais devem ser estimuladas contribuições por parte não só de governos, mas também de organizações não governamentais, instituições privadas e indivíduos.

Al-Nasser também anunciou a realização da Conferência Mundial sobre Povos Indígenas em 2014 que, segundo ele, deverá ser conduzida em parceria com as comunidades indígenas. O evento será uma oportunidade para “partilhar perspectivas e melhores práticas sobre a realização dos direitos dos povos indígenas, com a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas servindo de embasamento para as discussões.”

Tags:
Comentários: 1 comentário.