ONU: mais de 70% da população mundial viverá em cidades até 2050

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em abertura de evento global sobre o tema, ONU-HABITAT pede por ações governamentais para melhorar condições urbanas — principalmente em países em desenvolvimento, onde se concentra o maior índice de crescimento demográfico.

Conselho da ONU-HABITAT inicia fórum em Nairóbi, Quênia. Foto: ONU-HABITAT

Conselho da ONU-HABITAT inicia fórum em Nairóbi, Quênia. Foto: ONU-HABITAT

“A maior parte do crescimento urbano do mundo ocorre em países em desenvolvimento, onde muitos centros urbanos já tem infraestrutura inadequada e autoridades estão à procura de soluções para responder adequadamente às demandas da rápida expansão das populações urbanas, especialmente de jovens e pobres”, disse o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, em uma mensagem para a 24ª sessão do Conselho de Governança do Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT).

A mensagem foi lida pela Diretora-Geral do Escritório da ONU em Nairóbi, no Quênia, Sahle Work-Zewde. O encontro começou nesta segunda-feira (15) e segue até a próxima sexta-feira (19), sob o tema ‘Desenvolvimento urbano sustentável: o papel das cidades na criação de melhores oportunidades econômicas para todos, com especial referência à Juventude e Gênero’.

Metade da população mundial vive em áreas urbanas, sendo que um terço destas está em favelas e assentamentos informais. O número de pessoas morando em favelas aumentou de 760 milhões, em 2000, para 863 milhões, em 2012. Estimativas apontam que, até o ano de 2050, mais de 70% da população mundial estará vivendo em cidades.

O Diretor Executivo da ONU-HABITAT, Joan Clos, lembrou aos delegados do fórum que no início deste mês Ban Ki-moon pediu por ações efetivas dos governos, organizações internacionais e grupos da sociedade civil nos próximos mil dias, para atingir as metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) até seu prazo final, em 2015. Clos acrescentou que a forma como os governos vão desenvolver suas aldeias, bairros e cidades terá um impacto significativo na qualidade de vida de milhões de cidadãos.

Saiba mais sobre o evento clicando aqui.


Comente

comentários