Alimentação escolar. Foto: Agência Brasil

Seminário em Washington discute cooperação internacional em alimentação escolar

O Centro de Excelência contra a Fome, fruto de parceria entre o Programa Mundial de Alimentos (PMA) das Nações Unidas e o governo brasileiro, participou na semana passada (15) de seminário em Washington (EUA) para discutir evidências sobre os impactos de programas de alimentação escolar nos países. O evento foi organizado pela Global Child Nutrition Foundation e pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Instabilidade política e pobreza extrema limitam desenvolvimento econômico e social na Guiné-Bissau. Na foto, uma família viaja para a aldeia de Tebe-Zinho, onde as crianças receberão vacinas e outros serviços de saúde, com apoio do UNICEF. Foto: UNICEF / LeMoyne

Guiné-Bissau: relatório da ONU pede reforma abrangente do sistema de saúde

Relatório da ONU divulgado no início de junho revela que a implementação do direito à saúde na Guiné-Bissau está enfrentando enormes desafios. Existem apenas três pediatras no país da África Ocidental, todos eles expatriados, para uma população de cerca de 720 mil crianças menores de 15 anos. Além disso, são apenas quatro obstetras, cerca de 34 parteiras qualificadas e um anestesista em todo o país, que tem 1,8 milhão de pessoas.

Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, em Brasília. Foto: EBC/Marcello Casal Jr.

ONU Mulheres divulga lista de novas integrantes de grupo assessor da sociedade civil

Após receber 150 candidaturas, a ONU Mulheres no Brasil anunciou na quinta-feira (25) as novas integrantes do Grupo Assessor da Sociedade Civil, instância que viabiliza a participação da população brasileira nas discussões da agência das Nações Unidas. As novas participantes darão apoio à representação nacional do organismo de forma voluntária, no período de julho de 2017 a junho de 2019.

O grupo selecionado representa os movimentos de negras, indígenas, trabalhadoras sexuais, atletas, bem como as articulações de mulheres envolvidas na geração de renda, em redes de economia solidária e em iniciativas de prevenção e eliminação da violência de gênero.

Parceria com a Montblanc, firmada em 2006 com uma visão sobre a importância de promover o direito à educação, já arrecadou mais de US$10 milhões para o trabalho do UNICEF. Foto: UNESCO

UNESCO recebe inscrições para premiação sobre educação de mulheres e meninas

Até 5 de maio, Estados-membros e instituições não governamentais parceiras da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) podem enviar inscrições à equipe do Prêmio para a Educação de Mulheres e Meninas. A iniciativa da agência da ONU reconhecerá dois projetos inovadores de indivíduos e organismos que levam ensino de qualidade para o público feminino. Premiados receberão 50 mil dólares.

Foto: Pixabay

Agência da ONU e Correios abrem inscrições para concurso internacional de cartas

Até 17 de março, escolas brasileiras podem inscrever alunos no 46º Concurso Internacional de Redação de Cartas, uma iniciativa da União Postal Universal (UPU). Podem participar estudantes de até 15 anos de idade. No Brasil, a competição fica a cargo dos Correios, responsável por organizar as etapas estaduais e nacional.

Tema da edição deste ano do concurso é: “Imagine que você é um assessor do novo secretário-geral da ONU, António Guterres. Qual é o problema mundial que você o ajudaria a resolver em primeiro lugar e de que forma você o aconselharia para isso?”.

Relatório da UNESCO sobre aprendizagem de jovens e adultos é lançado para América Latina e Caribe

Com o tema “O impacto da aprendizagem e da educação de adultos na saúde e no bem-estar, no emprego e no mercado de trabalho e na vida social, cívica e comunitária”, o 3º Relatório Global sobre Aprendizagem e Educação de Adultos é lançado para a Região da América Latina e Caribe, na quarta-feira (15), às 9h, no Auditório do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), em Brasília.

Pouco depois de chegar às margens de Lesbos, os refugiados sírios usam seus telefones celulares para verificar sua localização e avisar os parentes de que eles estão seguros. Foto: ACNUR/Ivor Prickett

ARTIGO: Acesso à Internet é essencial para vida de refugiados

A conectividade não é um luxo, mas sim uma salvação para os refugiados. Emocionalmente, eles estão desesperados por permanecer em contato com os membros da família — alguns dos quais ainda podem estar em risco de violência ou perseguição.
Globalmente, os refugiados têm 50% menos chance de ter um telefone com acesso à Internet se comparados à população em geral, e 29% das famílias de refugiados não têm telefone. É preciso mudar essa situação, disse Alto Comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, em artigo.

Estudantes em escola no Marrocos. Foto: Banco Mundial / Dana Smillie

Em enquete da UNESCO, internautas dizem o que desejam para a educação em 2017

Em dezembro, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) convidou usuários do Facebook a responderem à pergunta: “o que você deseja para a educação do seu país em 2017?”. Enquete recebeu quase 170 respostas, que abordaram temas como qualificação de professores e desigualdades de gênero na oferta de ensino. A agência da ONU publicou uma seleção das opiniões dos internautas. Confira aqui.

Segundo a FAO, os países devem promover a participação das mulheres nos sistemas agroalimentares e nos processos de elaboração e tomada de decisões de políticas públicas de alimentação e nutrição. Foto: EBC

Países latino-americanos inserem questão de gênero no combate à fome

Apesar de os países latino-americanos terem avançado no combate à pobreza e à fome nos últimos anos, os benefícios não foram uniformes entre homens e mulheres. Dessa forma, a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), elaborou um plano estratégico que insere a igualdade de gênero na luta contra as desigualdades econômicas na região.

Bebidas açucaradas como os refrigerantes estão por trás da epidemia de obesidade e sobrepeso registrada nas Américas. Foto: Flickr (CC) / Rex Sorgatz

Países assumem compromisso para controlar tabaco e reduzir consumo de bebidas açucaradas

Reunidos em Xangai para a 9ª Conferência Global sobre Promoção da Saúde, líderes de governos e agências da ONU se comprometeram na segunda-feira (21) a garantir o bem-estar das populações para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Documento firmado no encontro prevê políticas públicas de conscientização e também de taxação especial de produtos prejudiciais ao organismo.

Forçada a se casar aos nove anos, Mariama deixou a Gâmbia em busca de uma vida melhor. “A alfabetização, na nossa família, é muito presente para homem e para mulher, mas quando tem uma pequena oportunidade, ela vai mais para o homem do que para a mulher. É por isso que eu quis conquistar meus sonhos, ser educada. Eu queria ser uma mulher com a minha própria história”, nos contou ela. Confira nesse vídeo.

Mariama, refugiada da Gâmbia: ‘Queria ser uma mulher com a minha própria história’

Forçada a se casar aos nove anos, Mariama deixou a Gâmbia em busca de uma vida melhor. “A alfabetização, na nossa família, é muito presente para homem e para mulher, mas quando tem uma pequena oportunidade, ela vai mais para o homem do que para a mulher. É por isso que eu quis conquistar meus sonhos, ser educada. Eu queria ser uma mulher com a minha própria história”, nos contou ela. Confira nesse vídeo.

De acordo com o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), Brasil é o lar de 9 mil estrangeiros que fugiram de guerras e violações dos direitos humanos para buscar segurança. No mundo, existem 21,3 milhões de refugiados.

Após 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), direitos permanecem sob risco, diz relatório. Foto: EBC

Violência e redução da maioridade penal ameaçam direitos das crianças no Brasil 25 anos após ECA

Relatório sobre os 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) divulgado esta semana apontou avanços do Brasil especialmente em saúde e educação nas últimas décadas. No entanto, a violência contra crianças e adolescentes negros e pobres permanece como um dos principais desafios, além do risco de retrocessos como a redução da maioridade penal. Documento foi elaborado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Menina estuda durante a aula na Mongólia. Foto: Bando Mundial/Khasar Sandag

No Dia Internacional, Ban lembra papel da alfabetização para a Agenda 2030

Em mensagem, o secretário-geral da ONU afirmou que, com o mundo cada vez mais digitalizado e rico em informações, novas oportunidades e desafios estão emergindo. Existem atualmente mais de 750 milhões de adultos analfabetos no mundo, dois terços dos quais mulheres, incluindo 115 milhões de jovens. “Precisamos garantir que aqueles que estão fora da escola tenham acesso a oportunidades de aprendizagem de qualidade, precisamos melhorar a qualidade das escolas, precisamos promover a educação e a aprendizagem de adultos”, acrescentou Ban.

Novo relatório global de monitoramento da UNESCO mostrou o potencial que a educação tem para impulsionar os progressos rumo aos objetivos globais da Agenda 2030. Foto: Flickr/Agecom/Carol Garcia

Educação precisa de grandes transformações para atender objetivos globais, diz UNESCO

Novo relatório global de monitoramento da UNESCO afirmou que a educação precisa passar por importantes transformações para que a humanidade possa atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030, entre elas um maior foco nas questões ambientais. Metade dos países do mundo não menciona o problema das mudanças climáticas ou temas de sustentabilidade ambiental em seus currículos escolares, disse a organização.

A taxa de analfabetismo entre pessoas com 15 anos ou mais passou de 10,1% em 2007 para 8,3% em 2014. Foto: EBC

Analfabetismo cai de 11,4% para 8,3% em Maceió em 5 anos, diz estudo

Estudo conduzido pelo International Policy Center for Inclusive Growth (IPC-IG), com supervisão do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), apontou redução da taxa de analfabetismo em Maceió, em Alagoas, que passou a ficar próxima da taxa brasileira, de 8,3%. Segundo coordenador da pesquisa, iniciativas de educação e alfabetização de jovens e adultos tiveram efeitos positivos no município.