Em discurso histórico na Assembleia Geral, Dilma Rousseff destaca papel de liderança global das mulheres

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Presidenta brasileira afirma que crise atual não é só econômica, mas também de governança e coordenação política. Para Dilma, criação do Estado Palestino é essencial para a paz no Oriente Médio.

Presidenta Dilma Rousseff durante abertura do Debate Geral da LXVI Assembleia Geral das Nações Unidas. Nova Iorque - EUA, 21/09/2011. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Abrindo o Debate Geral da 66ª Assembleia Geral da ONU nesta quarta-feira (21/09) a Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, destacou o papel das mulheres e afirmou que é preciso haver coordenação política para superar a crise econômica atual. “É com humildade pessoal, mas com justificado orgulho de mulher, que vivo este momento histórico”, declarou Dilma, primeira mulher na História a abrir a Assembleia Geral.

Dilma falou sobre a importância de encontrar soluções coletivas, rápidas e verdadeiras para a crise econômica, e disse que, como todos os países sofrem com a crise, todos têm o direito de participar das soluções. “O mundo se defronta com uma crise que é ao mesmo tempo econômica, de governança e de coordenação política”, declarou a Presidenta. Ela afirmou que a solução do problema da dívida deve ser aliada ao desenvolvimento e citou o Brasil como exemplo de política que controla os gastos sem comprometer políticas sociais e o desenvolvimento.

Ouça na íntegra o discurso abaixo:

[audio:http://downloads.unmultimedia.org/radio/pt/ltd/mp3/2011/1109213i.mp3]
(disponível na Rádio ONU e no site do Governo Brasileiro)

Em relação à política externa, Dilma citou os eventos da chamada Primavera Árabe, dizendo que “os brasileiros se solidarizam com a busca de um ideal que não pertence a nenhuma cultura, porque é universal: a liberdade”. A Presidenta defendeu a criação do Estado Palestino e afirmou que ele é essencial para a paz no Oriente Médio. Dilma defendeu ainda a presença de países em desenvolvimento no Conselho de Segurança da ONU e disse que a legitimidade e a eficácia do órgão dependem de sua reforma.

Presidenta Dilma Rousseff durante encontro com o Secretário-Geral Ban Ki-Moon na Sede da ONU. Nova Iorque - EUA, 21/09/2011. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Dilma encerrou seu discurso lembrando que foi torturada no cárcere e disse saber a importância dos valores da democracia, da justiça, dos direitos humanos e da liberdade. “Junto minha voz às vozes das mulheres que ousaram lutar, que ousaram participar da vida política e da vida profissional, e conquistaram o espaço de poder que me permite estar aqui hoje”, completou.

Assista na íntegra ao discurso:

Paz e cooperação são destaques em outros discursos

Antes do discurso de abertura de Dilma Rousseff, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, falou aos 193 Chefes de Estado e de Governo reunidos na Assembleia Geral. Ban ressaltou a importância de trabalhar em parcerias com o setor privado e outros setores, afirmando que a ONU deve ser guiada pela responsabilidade e pela transparência.

O Presidente da Assembleia Geral, Nassir Abdulaziz Al-Nasser, também discursou, destacando as conferências sobre desenvolvimento sustentável que serão realizadas ao longo do ano e no ano que vem, até a Rio+20.

Após a abertura do Debate Geral pelo Brasil, Chefes de Estado fizeram seus discursos, sendo o primeiro deles o Presidente dos Estados Unidos. Barack Obama falou sobre a importância de buscar a paz em tempos de conflito e ressaltou que seu país diminuiu pela metade seu pessoal militar presente em países como Afeganistão e Iraque durante seu governo.

Acompanhe os demais discursos acessando www.un.org/webcast


Comente

comentários