Dia Mundial de ‘Zero Discriminação’ quer eliminar preconceito contra pessoas vivendo com HIV

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Programa Conjunto da ONU sobre HIV/AIDS (UNAIDS) realiza ações no Brasil para a data, lembrada no dia 1º de março. Das cerca de 718 mil pessoas entre 15 e 49 anos que vivem com HIV no país, 150 mil não sabem que estão infectadas.

Peça da campanha 'Zero Discriminação'. Imagem: UNAIDSO Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) comemorará no dia 1º de março próximo o primeiro Dia Mundial de “Zero Discriminação”, para celebrar os direitos humanos sob a perspectiva de uma vida produtiva, plena e digna.

No Brasil, estima-se que mais de 718 mil pessoas entre 15 e 49 anos vivam com HIV, sendo que aproximadamente 150 mil não sabem que estão infectadas. A discriminação afeta as pessoas em diversas áreas de sua vida e deixa as pessoas mais vulneráveis ao vírus.

A discriminação pode ser um obstáculo ao acesso aos serviços de prevenção de HIV e tratamento de AIDS.

“A discriminação leva pessoas a evitar o teste, por medo de ostracismo da sociedade. A discriminação leva à violência e sabemos que houve uma recrudescência da violência contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais nos últimos tempos”, afirma Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil.

Para o dia mundial de Zero Discriminação, a borboleta foi escolhida como símbolo da transformação. A campanha #zerodiscrimination está sendo difundida pelas redes sociais desde o início de fevereiro, com sucesso em vários países do mundo.

Eventos no Brasil

Na data, o UNAIDS Brasil recebe a visita da diretora executiva adjunta do UNAIDS e secretária-geral assistente das Nações Unidas, Jan Beagle. Na quarta-feira (26) em Brasília, ela discutiu questões de estigma e discriminação, violência de gênero e a agenda pós-2015 com a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo brasileiro, Eleonora Menicucci.

“É uma honra receber a visita de Jan Beagle no Brasil. Demonstra mais uma vez o interesse internacional pelo trabalho do governo brasileiro na luta contra o HIV”, afirmou a ministra. Ela reforçou a parceria já existente com o UNAIDS e se interessou pela campanha Zero Discriminação.

Jan Beagle chegou ao Brasil na segunda-feira (24) e visitou organizações em São Paulo para conversar com a sociedade civil e ver exemplos de trabalho in loco.

Na imagem, Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil; Eleonora Menicucci, ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo brasileiro; e Jan Beagle, diretora executiva adjunta do UNAIDS. Foto: UNAIDS

Na imagem, Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil; Eleonora Menicucci, ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo brasileiro; e Jan Beagle, diretora executiva adjunta do UNAIDS. Foto: UNAIDS

A diretora executiva adjunta esteve no Fórum de ONGs de São Paulo, no Centro de Referência e Treinamento de DST/Aids do Estado de São Paulo e no seu Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais. Nas visitas, Beagle teve a oportunidade de trocar experiências com os usuários desses serviços de saúde.

“O Ambulatório e o Fórum são exemplos de como nós podemos alcançar a todos sem deixar ninguém de fora. Estou particularmente feliz por poder destacar estas histórias de sucesso de liderança em vista do dia de Zero Discriminação em 1º de março próximo.”

Jan Beagle participou ainda de encontros com o diretor do Departamento de DSTs, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, e integrantes do Grupo Temático Ampliado das Nações Unidas para o HIV/AIDS.

Apoio internacional

A Prêmio Nobel da Paz, Aung Sang Suu Kyi, é a porta-voz do UNAIDS para o programa Zero Discriminação e incorpora os valores de uma luta por um mundo livre de preconceito e discriminação.

O jogador de futebol brasileiro David Luiz aderiu à campanha e os músicos embaixadores de Boa Vontade do UNAIDS Annie Lennox e Toumani Diabaté também estão entre as celebridades participando do trabalho de conscientização mundial.

Acesse o site da campanha (clique aqui) e da UNAIDS no Brasil (www.unaids.org.br) para mais informações.

Acesse outros vídeos em www.youtube.com/UNAIDSBr


Comente

comentários