Com apoio de agência da ONU, iniciativas sustentáveis marcam Copa do Mundo no Brasil

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Agenda ambiental privilegia sustentabilidade das arenas, inclusão de catadores, turismo sustentável, produtos orgânicos e combate ao efeito estufa.

Agenda ambiental privilegia sustentabilidade das arenas, inclusão de catadores, turismo sustentável, produtos orgânicos e combate ao efeito estufa.

O diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner, ao lado da ministra brasileira de Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Foto: Marília Cabral/Portal da Copa

O diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner, ao lado da ministra brasileira de Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Foto: Marília Cabral/Portal da Copa

O governo brasileiro está coordenando um conjunto de ações para promover a sustentabilidade na Copa do Mundo da FIFA de 2014. As medidas incluem a compensação total das emissões diretas de gases de efeito estufa geradas pelo evento, a certificação ambiental dos estádios, a inclusão social dos catadores, o incentivo ao turismo sustentável e a produção de alimentos orgânicos e da agricultura familiar.

As ações, inseridas no Plano Operacional de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Copa 2014, são coordenadas pelos ministérios do Meio Ambiente, do Esporte, do Turismo, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e do Desenvolvimento Agrário, e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em parceria com os estados e cidades-sede. Os resultados reforçam a inclusão da agenda ambiental na pauta de desenvolvimento brasileiro.

“Esportes e meio ambiente é algo que trabalhamos há mais de 20 anos no PNUMA. Colaboramos em trazer a questão ambiental para grandes eventos, e com a campanha Passaporte Verde fizemos a nossa parte na Copa do Mundo do Brasil. Disponibilizamos informações para a tomada de decisão de consumidores e produtores, criando mercado para produtos e serviços mais sustentáveis. No entanto, a Copa foi só o começo. Espero que o Brasil se torne modelo para novos padrões de consumo e produções sustentáveis”, afirmou o diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner, durante coletiva de imprensa realizada no Rio de Janeiro.

“O Passaporte Verde é um ganho muito grande para o turismo no Brasil. Ele nos permite trabalhar a agenda de consumo e produção sustentável em um novo patamar, junto com as Nações Unidas. Com ele apostamos na mudança de comportamento do consumidor e profissionais do setor de turismo”, afirmou a ministra de Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que também participou da coletiva.

A Arena Fonte Nova, em Salvador, participou do Plano de Sustentabilidade para o Mundial do Brasil. Foto: Portal da Copa

A Arena Fonte Nova, em Salvador, participou do Plano de Sustentabilidade para o Mundial do Brasil. Foto: Portal da Copa

Ao todo, cinco eixos temáticos compõem as ações programadas para o Mundial na área de sustentabilidade. Os assuntos prioritários foram definidos no âmbito da Câmara Temática Nacional de Meio Ambiente e Sustentabilidade (CTMAS), instalada em maio de 2010, com representantes do governo federal, dos estados e dos municípios e coordenada pelos Ministérios do Meio Ambiente e do Esporte. Também foram criadas câmaras similares em todas as cidades que sediaram os jogos.

As ações tiveram o envolvimento de vários setores de governo, com foco na sustentabilidade, e buscaram conjugar sustentabilidade ambiental, inclusão social e geração de renda, com uma estratégia de alta visibilidade junto aos torcedores durante a Copa e ações que tenham continuidade após o Mundial, consolidando assim um legado permanente para o País.

Acesse a lista de ações clicando aqui.


Comente

comentários