Celulares, e-books e outras tecnologias móveis ajudam no combate ao analfabetismo, diz UNESCO

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em países onde o analfabetismo é comum e a produção de textos em papel é pequena, mais e mais pessoas dependem do meio digital para acessar o conteúdo de livros.

No Quênia, uma menina Masai lê em um telefone celular. Foto: Worldreader

Segundo a pesquisa Lendo na Era da Mobilidade, divulgada nesta quarta-feira (23) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), tecnologias móveis como celulares ou e-books podem fazer avançar a causa da alfabetização e do aprendizado em comunidades desfavorecidas em todo o mundo.

“Esse documento chama a atenção para um potencial muito subutilizado atualmente”, disse o coautor do relatório e membro da Seção para Desenvolvimento Docente e Politicas Educativas da UNESCO, Mark West. “Trata-se de um veículo de alto custo-benefício para a melhoria da educação.”

Lançado na ocasião do Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor, “Lendo na Era da Mobilidade” destaca o uso de tecnologias móveis como um meio viável para centenas de milhares de leitores e mostra que, em países onde o analfabetismo é comum e a produção de textos em papel é pequena, mais e mais pessoas dependem do meio digital para acessar histórias ou livros completos.

Embora o ceticismo quanto à leitura em pequenas telas monocromáticas seja comum, West enfatiza que “é justamente isso que pessoas dos países em desenvolvimento estão fazendo”.

A escassez ou dificuldade de acesso a livros em comunidades pobres é uma das explicações para o analfabetismo, que atinge 744 milhões de pessoas mundialmente.


Comente

comentários