778 mil pessoas passam fome ou estão desnutridas por causa da seca na Namíbia, calcula UNICEF

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Pior estiagem em três décadas já atinge um terço da população. Fundo das Nações Unidas para a Infância amplia esforços de educação nutricional e alimentação infantil.

Seca provoca perdas nas plantações da Namíbia. Foto: UNFPA

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) afirmou nesta segunda-feira (12) que 778 mil pessoas na Namíbia, um terço da população, estão sofrendo por fome e desnutrição grave ou moderada por causa da seca, a pior no país em três décadas. Por isso, a agência aumentou seu apoio local, incluindo atividades de educação nutricional e de alimentação infantil.

De acordo com o departamento nacional para a gestão de risco de desastres, todas as 13 subdivisões foram afetadas pela seca, com grande escassez de água – tanto para seres humanos como para animais – e alimentos. Em maio, o governo declarou estado de emergência, e se comprometeu a arrecadar cerca de 20 milhões de dólares para fornecer comida e água.

A seca piora a já grave taxa de crescimento reduzido, uma forma de desnutrição crônica. Na Namíbia, 29% das crianças com menos de cinco anos são raquíticas e, em caso de emergência, a detecção precoce da desnutrição muitas vezes pode ser o limiar entre a vida e a morte.

Segundo o UNICEF, as agências de ajuda humanitária também participarão do apoio ao país. Porém, como o número de comunidades afetadas continua a subir, as lacunas de financiamento estão se ampliando. A agência da ONU precisa de 7,4 milhões dólares para ajudar cerca de 109 mil crianças com menos de cinco anos em risco de desnutrição.


Comente

comentários